Churrasco e Natal? Tudo a ver

Nos últimos anos, o consumo de carne tem crescido exponencialmente durante o período de festas de final de ano. O famoso churrasco brazuca tem ganho muito espaço nos nas receitas dos supermercados brasileiros.

Obviamente, o tradicional pernil, chester e afins continuam comercialmente muito relevantes, mas estão aos poucos, paulatinamente, perdendo espaço para os bifes . A boiada está detonando no circuito. O bicho vai pegar, literalmente. Não é briga de galo. Aqui o negócio é peso pesado.

Segundo Pedro Astolfo, diretor de uma agencia de conteudo, as pessoas têm perdido cada vez mais as ligações com as raízes. Hoje, o que importa mesmo, segundo ele, é fazer o que bem entender. Resumindo, às favas com as tradições. O que o brasileiro quer mesmo é encher a pança. E nós apoiamos, somos 100% churrasco. Afinal, ninguém gosta de verdade de pernil, até porque se fosse assim ele seria parte recorrente do cardápio do povo tupiniquim.

consultoria de marketing

Pedro afirma que a agencia de conteudo digital WP/N tem se esforçado tremendamente para fazer o rastreamento deste novo comportamento do consumidor. Ele afirma categoricamente que os números de buscas relacionados ao assunto churrasco nas festas de fim de ano aumentaram, vejam só, em mais de dez vezes. Isso mostra que a pujança do setor. O churrasco não se contenta mais apenas com as ocasiões do dia a dia. Ele é cada vez mais gourmet e entra também em outras parcelas da vida do povo do futebol.

O perigo é alterarmos a dinâmica de como a população encara o assunto. Uma overdose de carne é espetacular, mas pode levar a uma certa fadiga em relação a este tema. Mesmo gostando da notícia, sabemos que as tradições tem um peso importante na formação cultural de um povo. No entanto, esta tradição do pernil foi importada dos europeus e americanos. Não é nada brasileira, por isso não estamos preocupados com absolutamente nada e viva o churrasco.

Churrasco, do nosso ponto de vista, deve ser consumido sempre que possível e impossível.

O importante é ressaltar que o tema que nós amamos tanto tem conseguido obter ainda mais espaço na vida dos brasileiros. Seja no Natal, no Ano Novo, no Carnaval, somos sempre maminha, seja no Brasil ou no mundo. Este hábito tão característico do povo brasileiro deveria ser exportado porque isso ajudaria a combalida indústria e economia a recuperar um pouco de força no mercado internacional. É algo a se pensar com muito carinho. A carne é um artigo muito raro e difícil de ser produzido em grande volume. Apenas quatro países no mundo reúnem condições de competir pela liderança. Eles são Brasil, Argentina, Austrália e Estados Unidos. Isso tem a ver com critérios de clima, extensão de território e pujança econômica.

Encontre seus amigos nas festas de final de ano e faça aquele mega churrasco, com direito a um sambinha da gema e cerveja da boa.